«Pela 1ª vez, cidade dos EUA pagará reparação pela escravidão; e no Brasil?», matéria com Luiz Augusto Campos

Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en Portugués De Brasil. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

O professor do IESP-UERJ Luiz Augusto Campos, coordenador do Grupo de Estudos Multidisciplinares da Ação Afirmativa (GEMAA), colaborou com matéria publicada no projeto Ecoa, do UOL. O texto contrasta iniciativas de reparação histórica do racismo estrutural, em especial da escravidão, nos EUA e no Brasil.

 

Consultados por Ecoa, especialistas dizem que uma ação desse tipo no Brasil encontraria dificuldades para ser implementada e não resolveria o problema estrutural. Desse ponto de vista, dizem, ações afirmativas, como as cotas raciais, são mais efetivas. Para Luiz Augusto Campos, professor de Sociologia do Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (IESP-UERJ), a reparação financeira traz problemas. «Ela pressupõe que um valor pago pode reparar o problema, quando, na verdade, a discriminação continua operando cotidianamente.»

 

Leia a íntegra do texto na página do Ecoa.

Comments are closed.